scalede1184804371.jpeg

Natureza Búdica

O Mahayana-Uttaratantra-Shastra de Arya Maitreya é um dos mais importantes ensinamentos sobre a natureza Búdica ou iluminação. Ele é reverenciado por mestres Budistas como um texto muito especial, um dos cinco grandes ensinamentos dados pelo Senhor Maitreya a Asanga, e parte do terceiro giro da roda do Dharma. Dentro dos tradicionais shedras Budistas para a educação monástica, ele é frequentemente ensinado como o texto final do currículo, e muitos mestres dizem que ele pode ser considerado uma ponte entre os sutras e o tantra. O texto propicia uma fundamentação filosófica importante para a compreensão dos funcionamentos do caminho Budista, particularmente para os praticantes do Vajrayana. Nós somos particularmente afortunados por termos estes ensinamentos dados por Dzongsar Khyentse Rinpoche, preenchidos com sua clareza, calor, humor e sabedoria usuais porque, apesar da beleza e profundidade deste texto, ele é raramente ensinado no ocidente, e há poucas traduções.

Rinpoche deu estes ensinamentos sobre o Uttaratantra no Centre d’Etudes de Chanteloube na Dordonha, França, durante os verões de 2003 e 2004 após completar um ciclo de ensinamentos de quatro anos sobre o Madhyamakavatara de Chandrakirti. Ele tem enfatizado com frequência o valor de um embasamento na filosofia da vacuidade do Madhyamika ou ‘Caminho do Meio’, sem o qual os iniciantes podem facilmente confundir o ensinamento do Buda de que todos os seres tem a Natureza-Búdica com ideias tais como Deus ou uma alma ou essência pessoal. Estes ensinamentos permitem-nos dissipar estes tipos de interpretação equivocada. E, apesar de suas apresentações distintas, tanto o Madhyamika quanto o Uttaratantra são ensinamentos sobre a visão Budista da vacuidade. Como Rinpoche diz, “Você poderia dizer que quando Nagarjuna explica o Prajñaparamita, ele se concentra mais no seu aspecto ‘vazio’ (ou vácuo, para efeitos de entendimento????)(“forma é vacuidade” no Sutra do Coração), enquanto que quando Maitreya explica a mesma coisa, ele se concentra mais no aspecto “dade” (vacuidade é forma).” Ao nos mostrar como vacuidade e Natureza-Búdica são maneiras diferentes de falar sobre a mesma coisa, este texto nos dá a base que precisamos para entender a Natureza-Búdica.

Desta maneira, o Uttaratantra nos oferece uma outra via para entender os Quatro Selos que definem a Visão Budista, os quais o Rinpoche ensina em seu livro “O que faz você ser Budista?”. O Uttaratantra também oferece uma maneira de compreender o que a física moderna descobriu a respeito da qualidade mágica do “cheio” no espaço “vazio” (por exemplo partículas de vácuo e ótica quântica). Mas como toda filosofia Budista, o texto não se põe apenas para provocar uma discussão acadêmica que abandonamos assim que retornamos às nossas vidas cotidianas. Ele é ensinado com um caminho para que atinjamos a liberação. Para os praticantes, o Uttaratantra claramente explica o que significa acumular mérito e purificar obscurecimentos, e oferece uma rede de segurança para proteger nosso caminho da queda nos extremos comuns do eternalismo e do niilismo. Ele também aborda muitas das questões básicas que os praticantes perguntam quando eles consideram a natureza do caminho, perguntas como: Qual o destino final deste caminho? Quem é esta pessoa trilhando o caminho? Quais são os obscurecimentos que são eliminados no caminho? Como é a experiência da iluminação? Rinpoche responde a estas e muitas outras perguntas neste comentário do Uttaratantra Shastra.

Clique aqui para solicitar esta publicação - em inglês